Atualização mensal: Agosto 2018: R$ 4089

Este mês vendi no Mercado Livre o último item que ainda faltava, dos que me propus a vender por não usar/não ser necessário manter. Era o item mais caro da lista e acabou salvando o investimento programado do mês. Por causa disso consegui me manter na meta de investimento apesar dos inúmeros gastos extras. Consegui vende-lo por R$ 2600 reais. Com isso acabo este tipo receitas extras, pois não sobrou mais nada para vender.

Nos gastos extras, mais um mês meio fora da curva. Tive que desembolsar R$ 500 a vista para um curso (gasto não recorrente) e mais R$ 209 para outro curso (vai ser recorrente durante 2 anos). Principalmente devido a isto acabei gastanto mais do que ganhei (não incluindo a venda do Mercado Livre). Com isto gerei uma pequena dívida com empréstimo (R$ 625,50), porém estou tranquilo por é sem juro.

Na parte de investimentos, consegui aportar R$ 2663,80 este mês. 97% disso foi devido a venda do Mercado Livre. Com este aporte, estou me mantendo na minha meta proposta. Girei um pouco a carteira quando ví oportunidades de vender uma ação por um valor maior do que o pago enquanto tinha outra ação do meu interesse que estava razoavelmente descontada. No final, acabei o mês com a seguinte carteira: 100 MPLU3 (R$ 26,56), 100 ITSA4 (R$ 10,93) e 100 ABCB4 (R$ 15,49)

carteira_2018_08

Na renda passiva, este mês recebi R$ 20,74 de dividendos e JSCP da ITSA4 já descontado o imposto de renda.

Resumo do mês:

-Aportes: R$ 2663
-Saldo das aplicações: R$ 5334
-Empréstimos: -1245 (não há cobrança de juros)
-Renda passiva: 20,74

-Total: R$ 4089
Anúncios

Atualização mensal: Julho 2018: R$ 1993

Finalmente atingi o saldo positivo na soma das minhas aplicações e dívidas!
Este mês tive muitas receitas extras e gastos extras também.

Na parte dos gastos extras, tive que trocar praticamente todo o piso do apartamento pois tinhas sido muito mal feito na primeira vez, quando reformei no ano passado. Mas era algo que eu realmente precisava fazer. Nisto foram gastos aproximadamente R$ 3200.

Em compensação, este mês recebi a minha restituição do imposto de renda, algum trocado de vendas no Mercado Livre, milhas Avianca que vendi, adiantamento de uma parte do programa de distribuição de lucros da empresa onde eu trabalho e também um extra referente a uma atualização salarial atrasada.
Isto tudo foi algo totalmente isolado, que não se repetirá nos próximos meses. A soma total deu próximo a R$ 3500, o que no fim acabou pagando por toda a troca do piso (e foi por isso que eu me programei para fazer isto esse mês) e ainda sobrou um pouco para abater das dívidas.

A impressão que eu tenho é a de que no geral todos nós temos muito dinheiro parado em casa e nem percebemos. Este ano certamente levantei um valor bem próximo a R$ 10 mil somente vendendo coisas que não uso, milhas e benefícios que não se aproveita.
Exemplo disso são as milhas Avianca e Multiplus que eu vendi, e que mesmo tenho poucas consegui quase 1000 reais com elas, a quantidade absurda de itens que tinha em casa e que vendi/está para venda, e também benefícios que aproveitei como o reembolso de impostos do programa nota fiscal paulista. Estou escrevendo de novo sobre este assunto pois é algo que ainda me impressiona, não imaginava que fosse tanto dinheiro parado.

Diminuí muitas despesas recorrentes pequenas também, que somadas acabam dando um valor considerável. Empolgado com a melhoria da minha vida financeira, cancelei o Spotify plano família (-R$ 26,90) que usava muito pouco, a associação de funcionários da minha empresa (-R$ 15) que nunca utilizei para nada, o pacote de serviços da Caixa (-R$ 25) onde está o meu financiamento imobiliário, e amortizei do saldo devedor do meu financiamento imobiliário utilizando o meu saldo no FGTS (-R$ 5). Somando tudo isso, são R$ 73 economizados TODO mês, o que se tranforma em R$ 876 em um ano. Nada mal.
Sobre este pagamento da cesta de serviços na Caixa para quem tem financimaneto neste banco, ainda vou escrever com mais detalhes no futuro. Já adianto que não é necessário pagar nenhuma tarifa, pode-se mudar sem nenhum problema para a conta mais básica, onde não é cobrado nenhuma tarifa mensal. Isto não interfere em nada no financiamento, mas é obvio que ninguém do banco vai lhe avisar sobre isso.

Quanto a carteira, acabei girando bastante este mês, pois no momento existem 6 papéis (ações) que considero ótimos como investimento para Buy & Hold com foco em dividendos. Como o mercado variou muito, acabei comprando alguns na baixa, e quando eles subiram, vendí para comprar os outros que tinha caído, mas que os seus fundamentos são tão bons quanto os primeiros. Com isso consegui um troquinho extra nos rendimentos, o que gerou a diferença no gráfico da carteira entre a linha dos aportes e a linha da carteira.
No final, acabei o mês com 100 ITSA4 compradas a R$ 10,49 e 100 ABCB4 compradas a 15,63. O aporte feito no mês foi de R$ 989,09.

Este mês marcou também a primeira renda passiva recebida! Recebi 10 centavos referente ao dividedo de 1 cota do fundo MXRF11 que possuia mês passado e também R$ 1,62 referente ao aluguel de 17 ações MPLU3. Consegui uma taxa de 6% a.a. no aluguel e elas ficaram alugadas por aproximadamente 25 dias. Falarei mais sobre o aluguel de ações em outro tópico.

O planejamento da carteira segue bem. Minha meta era de ter R$ 2.500 investido este mês e acabei fechando com R$ 2613. Raspei até as últimas moedas para conseguir comprar os dois lotes de ações que possuo. Sobrou somente 51 centavos na conta hehe.

 

carteira_2018_07

 

As dividas seguem diminuindo. Paguei todo o meu saldo devedor no banco, agora devo somente 620 reais em um empréstimo pessoal, ou seja, não pago mais nenhum juro de dívida! No próximo mês devo quitar esta dívida pessoal e não deverei mais nada. A partir deste ponto minha meta será adiantar/quitas todas as parcelas futuras de compras no cartão de crédito. Atualmente elas somam mais de R$ 5 mil nos próximos 10 meses. A intenção e ficar sem nenhum tipo de débito fora o financimanto imobiliário o mais rápido possível.

Resumo do mês:

-Aportes: R$ 989
-Saldo das aplicações: R$ 2613
-Saldo devedor no banco: R$ 0 (e vai continuar assim para sempre!)
-Empréstimos: -R$: 620 (não há cobrança de juros)
-Renda passiva: R$ 1,72

-Total: R$ 1993

Atualização mensal: Junho 2018: -R$ 495

Este foi mais um mês onde consegui diminuir muito as minhas dívidas, apesar de ter sido um pouco relaxado em relação ao orçamento na parte da comida e ter gasto um pouco a mais que o ideal.

A imagem deste post mostra que consegui diminuir um pouco os gastos gerais, embora ainda haja um pouco de espaço para melhora. Custo fixos continuaram praticamente iguais, e os aportes aumentaram drasticamente. Acredito que possa manter esse ritmo nos aportes e inclusive aumentar o valor conforme for quitando as minhas dívidas (já que não pretendo substitui-las por outras).

Mais uma vez as vendas na internet de coisas antigas e/ou que não uso mais garantiram uma receita extra de R$ 829. Logo este tipo de receita deve acabar, já que agora não tenho mais muita coisa sobrando para vender.

Empolgado com a baixa do mercado de ações, acabei comprando até mais do que devia. Com isso agora possuo 3 TAEE11 (compradas mês passado), 17 MPLU3 (R$ 25,57), 100 ITSA4 (R$ 8,97) e 1 MXRF11 (R$ 9,50). Somando tudo foram investidos R$ 1277 na bolsa este mês.
Pude comprar apenas 1 MXRF11 pois a minha corretora não cobra corretagem para fundos imobiliários. Se não fosse por isso não seria viável o investimento.

Este mês montei o meu planejamento/meta de aportes/carteira para os próximos 10 anos. Como certamente terei que fazer ajustes nas metas ao longo dos anos, pretendo fazer o controle ano a ano. Abaixo segue o meu planejamento de investimentos até o final deste ano. Este planejamento foi feito de maneira bastante realita, acredito que haja margem para passa-lo.
Já larguei na frente do planejado com os investimentos que fiz este mês.

carteira_2018_06

Mesmo tendo exagerado nos aportes, a minha dívida diminuiu bastante este mês pois o pagamento de mais de R$ 1000 foram feitos através da compra de um celular no meu cartão de crédito para um credor de uma das dívidas. Com isso fiz o pagamento para a pessoa e ainda parcelei a dívida em 10x sem juros. Assim todo mundo ficou feliz. A quitação do restante da dívida para esta pessoa foi feita em dinheiro.

O controle através da minha planilha de orçamento tem se mostrado ótimo. Estou conseguindo me organizar e planejar muito melhor depois que começei a controlar pela planilha. Indico muito a todos fazerem este tipo de controle.

Resumo do mês:

– Aportes: R$ 1277
– Saldo das aplicações: R$ 1405
– Saldo devedor no banco: -R$ 1.301
– Empréstimos: -R$ 599 (não há cobrança de juros)
– Renda passiva: R$ 0

-Total: -R$ 495

Atualização mensal: Maio 2018: -R$ 2.860

Este mês foi muito positivo. Consegui diminuir bastante as minhas dívidas apesar de ter ido em um churrasco não planejado, ter comprado um presente de dias das mães relativamente caro (para o meu padrão) e de a greve dos caminhoneiros ter feito com que eu tivesse que fazer um pequeno rancho adiantado no supermercado para garantir que não ia ficar sem comida em casa.

Apesar das despesas não planejadas, apenas a continuidade da venda na internet (OLX / Mercado Livre) de coisas antigas e/ou que não uso mais e a venda de milhas de cartão de crédito que possuía, fizeram com que eu adicionasse R$ 1.008 em receitas extras. Isto compensou na totalidade os gastos não planejados como uma folga enorme. Acredito que no próximo mês ainda consiga manter uma boa renda extra através destas fontes.

FINALMENTEEEE consegui comprar alguma ação! Estava muito ansioso para comprar algo e começar logo a minha bola de neve. Não foi muita coisa, mas só o simbolismo de ter começado a investir na bolsa este mês já me deixou muito feliz. Comprei 3 TAEE11 a R$ 18,70 cada. Sim, apenas 3 hehe.

Todo o dinheiro extra que “sobrou” este mês (fora os R$ 65 aplicados e parte usado para comprar as ações da Taesa) usei para amortizar as minhas dívidas. Consegui diminuir de aproximadamente -R$ 4.100 no mês passado para -R$ 2.924 este mês.
No próximo mês devo diminuir a dívida em um ritmo mais acelerado pois várias prestações de parcelamentos antigos no cartão de crédito estão acabando, logo sobrará mais dinheiro no final do mês. Em no máximo dois meses devo estar com a casa em ordem e devo começar a investir uma quantia maior.

Para diminuição dos gastos, este mês cancelei um cartão de crédito que me dava milhas, mas que o valor da anuidade era maior que o valor que conseguia vendendo as milhas que acumulava. No meu caso, que não gasto um valor alto no cartão de crédito, não vale a pena manter. E assim são menos R$ 240 gastos no ano. Além deste cartão, já tenho mais outros dois gastos recorrentes na minha mira para fazer o cancelamento.

Este mês começei também a controlar todos os meus gastos através de uma planilha de orçamento. Já fiz isso a muitos anos atrás e revisando as planilhas antigas vi que pelo menos para mim uma planilhas dessas é bastante útil para controlar os gastos e ver o que pode ser melhorado. Recomendo fortemente este tipo de controle a todos que estiverem querendo descobrir onde é possível cortar alguns gastos desnecessários.

A imagem deste post mostra o resumo de todos os meus gastos neste mês. A ideia é que com o passar do tempo (possívelmente já no próximo mês) os gastos gerais sejam sempre menores que as despesas fixas e que os aportes representem mais de 50% de todo o valor utilizado/gasto no mês.

Segue abaixo o resumo deste mês:

– Valor aplicado no mês: R$ 65
– Saldo das aplicações: R$ 64 (ficou menor que o valor aplicado pois o valor da corretagem da compra de ações não conta como saldo)
– Saldo devedor no banco: -R$ 1.624
– Empréstimos: -R$ 1.300 (não há cobrança de juros)
– Renda passiva: R$ 0 (acredito que vá demorar um pouco para este número mudar)

 

Métodos alternativos para diminuição das dívidas

Conforme eu comentei no primeiro post desse blog, eu começei este ano de 2018 endividado. Não possuo o valor exato, mas considerando as faturas de cartão de crédito em aberto (não vencidas), o valor estava próximo de R$ 10 mil.

Como neste período eu ainda não havia trazido todas as minhas coisas do apartamento antigo para o novo (me mudei no meio do ano passado), neste processo de mudança aproveitei para jogar fora ou doar o que não precisava mais e não tinha valor, e também separei o que não iria mais utilizar e que poderia ser vendido. E foi aí que entrou o primeiro método para arrecadação de dinheiro para a amortização das dívidas:

  1. Venda na internet de coisas usadas: O que posso dizer é que o Mercado Livre e o OLX me ajudaram muito a diminuição das dívidas através da venda das minhas coisas usadas. Devo ter vendido uns 15 itens diversos que eu não usava mais e que só estavam ocupando espaço, e com isso minhas dívidas diminuiram uns R$ 3 mil.
  2. Venda de milhas de cartão de crédito: Muito por acaso, um dia recebi um email da Multiplus informando que eu tinha milhas por vencer, no caso 9 mil. Coloquei elas para vender no site da MaxMilhas e em no máximo 10 minutos já recebi um aviso que elas tinham sido vendidas. Não foi um valor muito alto, apenas 230 reais. Mas quando se está devendo qualquer valor ajuda, ainda mais considerando que estou deixando de pagar juros em cima deste valor na minha dívida.
  3. Antecipação de 13o salário: Na empresa onde trabalho, é possível pedir o adiantamento do 13o salário do ano a qualquer momento, desde que se tenha uma boa justificativa para o pedido. Este foi o primeiro ano que fiz este pedido, e com isso consegui receber adiantado em março uma parte do valor. Menos R$ 3 mil reais de dívida.
  4. Empréstimo com familiares/amigos a juro zero: Fiz um emprestimo com familiares/amigos no valor de 1800 reais com juro zero e prazo a perder de vista (embora eu tenha pressa em devolver logo o dinheiro). Com isso são menos 1800 reias me gerando mais dívida através dos juros.
  5. Restituição do imposto de renda: Todos os anos eu deixava para declarar o imposto de renda no último dia do prazo, sempre ficava enrolando e acabava recebendo a restituição somente no final do ano. Este ano fiz a declaração do imposto de renda na logo na primeira semana disponível, para receber logo a restituição. Não sei se receberei no segundo ou terceiro lote da Receita, mas certamente não será no último. Assim conseguirei amortecer mais ainda a dívida, se já não tiver quitado ela antes.
  6. Mudança na data de vencimento do cartão de crédito: Uma outro alternativa, que embora não ajude na diminuição da dívida, pode ajudar a pagar menos juros. Logo no início quando as dívidas começaram a se acumular e ví que pagaria juros pois não teria o valor total para pagar as contas, o que fiz foi passar a data do vencimento das faturas para 3 semanas para frente. Assim não paguei nenhum juro de dívida durante 3 semanas, mesmo sem ter o dinheiro para pagar as faturas. Este método não é possível de ser utilizado muitas vezes, mas quando é possível, ajuda bastante.
  7. Escolher o lugar onde o juro é menor para concentrar as dívidas: No meu caso, o cartão de crédito cobra 11,25% de juro ao mês, o cheque especial em torno de 10% e o empréstimo pessoal no site do banco 7,5%. Então o que fiz foi pegar todo o valor necessário no empréstimo pessoal do banco e pagar todas as outras contas. Assim fiquei devendo somente em um lugar e no que tem o juro mais baixo.

Essas foram as saídas que eu encontrei para diminuir as minhas dívidas atuais. Acredito se alguem estiver também com dividas vá poder se beneficiar com algumas dessas dicas.

Gostaria também de deixar claro que não recebi nenhuma vantagem para fazer propaganda de nenhum site ou empresa. As que comentei aqui neste post são apenas a que eu achei melhor para a minha situação.

Espero que os próximos post sejam sobre como aumentrar a renda, e não como diminuir as dívidas hehe, mas vamos em frente!